domingo, 19 de agosto de 2012

DESFIBRILAÇÃO x CARDIOVERSÃO

 


DESFIBRILAÇÃO x CARDIOVERSÃO


CVE é uma forma de tratamento das taquiarritimias de vários tipos tanto atriais quanto ventriculares. trata se de uma técnica segura e eficaz quando corretamente aplicada, sem efeito cumulativo, sem interferência com outras terapias e com ação imediata.
Histórico
1950 introdução na pratica clinica
1969 primeiro implante de  CDI experimental
Universidade Johns Hopkins (choques de 100j ondas bifasicas).
Mecanismo de ação:
Uma corrente elétrica continua pelo corpo faz com que todo o miocárdio  se despolarize simultaneamente e aumenta a refratariedade dos tecidos excitáveis. Essas duas condições interrompem a arritmia cardíaca e permite que o sistema de condução assuma o ritmo cardíaco.
A descarga elétrica em um momento vulnerável do coração pode levar a fibrilação ventricular, este momento seria repolarizaçao ventricular ou onda t.
O sincronismo do CDE ou o reconhecimento da onda r no ECG confere segurança ao tratamento das taquiarritmias. No caso da fibrilação ventricular não é necessário o sincronismo, pois o que se devera empregar é a desfibrilação cardiaca.
Cardioversão x Desfibrilação
A desfibrilação elétrica é um procedimento terapêutico que consiste na
aplicação de uma corrente elétrica contínua NÃO SINCRONIZADA, no
músculo cardíaco. Esse choque despolariza em conjunto todas as fibras
musculares do miocárdio, tornando possível a reversão de arritmias
graves como a TV e a FV, permitindo ao nó sinusal retomar a geração e
o controle do ritmo cardíaco.
A cardioversão elétrica é um procedimento na maioria das vezes
eletivo, em que se aplica o choque elétrico de maneira SINCRONIZADA,
ou seja, o paciente deve estar monitorado no cardioversor e este deve
estar com o botão de sincronismo ativado, pois a descarga elétrica é
liberada na onda R, ou seja, no período refratário.
Tipos de onda de choque
Choque bifásico x monofásico
Monofásico é maior quantidade de energia podendo chegar ao dobro do bifásico. A pá do Apex é o polo negativo e a do esterno o +. A corrente vai sempre do Apex para o esterno.
Bifásico: menor quantidade de energia é necessária para a desfibrilação. Na primeira fase do choque é similar a onda monofasica e na segunda há inversão da polaridade das pás com inversão do choque, ou seja vai da pá do esterno para o Apex.
A cardioversão:
Revisar o aparelho ( modo sincronizado)
Monitorização(D2)
Oxigênio suplementar
sedação(propofol, etomidado, diazepam dormonid)
analgesia(fentanil, alfentanil, meperidina e morfina)
Taquicardia ventricular
100,200,300,360j
Taquicardia paroxística ventricular
100,200,300,360j
Fibrilação atrial
100,200,300,360j
Flutter atrial
50,100,200,300,360j
Taquicardia ventricular polimorfica
200,300,360j
#cargas monofasicas


Nenhum comentário:

Postar um comentário